quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Superação da família nuclear cria novos modelos de relacionamento



JULIANA VINES DE SÃO PAULO



Não há árvore genealógica que dê conta de explicar famílias com vários divórcios, novos casamentos, meio-irmãos e agregados.

Essas famílias, cada vez mais comuns nas estatísticas, não são nada parecidas com aquelas do comercial de margarina.

"O conceito de família nuclear (com pais e filhos na mesma casa) não é mais suficiente. Há arranjos domésticos sem nenhum padrão", diz a socióloga Elisabete Bilac, do Núcleo de Estudos Populacionais da Unicamp.

As mudanças aconteceram nas últimas três décadas. Nos anos 1980, 70% das famílias eram nucleares. Hoje, menos da metade é assim.

Se a "família margarina" está cada vez mais rara, as monoparentais (com apenas pai ou mãe) são as que mais crescem. Efeito prolongado da popularização do divórcio, dizem especialistas.

Também são mais comuns os casais que decidem não ter filhos. Em inglês, são chamados de casal Dink, sigla para dupla renda sem filhos ("double income no kids"). No Brasil, já são 17% do total, segundo o IBGE.

"É uma grande mudança em pouco tempo", diz José Eustáquio Alves, demógrafo da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE. "Houve uma inversão demográfica. Temos menos filhos, demoramos mais para tê-los e vivemos mais."

Isso somado às novas formas de relacionamentos deu origem a famílias diferentes do padrão tradicional.

Mônica Fontes, professora, 33, e Thiago Fernandes, publicitário, 34, são um casal LAT ("living apart together", ou vivendo juntos separados). São casados, não no papel, têm um filho de 5 anos e vivem em casas separadas.

"Meu filho pergunta por que estamos separados e nos beijamos, e os pais dos amigos dele estão separados e não se beijam", conta a mãe.

Não é uma escolha do casal. Com tantas mudanças de emprego e de cidade, nunca conseguiram morar juntos. Neste ano, enfim, pretendem dividir a mesma casa.

"Vai ser uma mudança radical", diz o pai.


NÃO IDENTIFICADO

De acordo com a terapeuta Cristiana Gonçalves Pereira, do Instituto de Terapia Familiar de SP, não existe uma definição para o termo família.

"Cada um diz quem é a sua família. A definição está no discurso. É isso que vale."

O problema da indefinição está também nas novas formas de relacionamentos afetivos. Isso porque entre o namoro, o noivado e o casamento, há inúmeras possibilidades de relacionamento que não estão no dicionário.

O Facebook já tem nove opções de estado civil, entre elas, amizade-colorida e relacionamento enrolado.
Segundo a antropóloga e colunista da Folha Mirian Goldenberg, a sociedade não consegue acompanhar o ritmo dos relacionamentos.
"Essas relações não são consideradas legítimas. Isso gera um incômodo."

O problema continua em famílias com vários divórcios e "meio-parentes", como ex-tios ou novas avós.

A filósofa Fernanda Carlos Borges, autora de "A Mulher do Pai" (Summus Editorial, 136 págs., R$ 31) está no segundo casamento.

"Sou a mulher do pai. A mãe dos filhos do meu marido é viva e mora com eles. Não sou madrasta e não sou parente das crianças, que direitos e deveres eu tenho?"

Para ela, a falta de nome para esse papel é um sinal de que a relação é mal resolvida.

"Assumimos responsabilidades sem muitas garantias. É fácil surgirem conflitos."

Famílias como a de Fernanda Borges são chamadas de mosaico -quando pais separados se casam novamente e seus filhos convivem mesmo sem ser parentes.

O menino Daniel Mantelatto Gallo, 10, é um dos vértices de um mosaico que, para entender, só desenhando.

Ele é filho único e tem cinco meio-irmãos. Sua mãe, a escritora Fernanda do Valle, 32, é casada há três anos. Seu marido já tinha duas filhas de outro casamento.

O pai de Daniel também já tinha um filho quando ele nasceu e acabou de ter outro. O avô dele se casou de novo, e sua mulher está grávida.

Quando questionado sobre como ele chama as ex-mulheres do seu pai ou então sua nova avó, ele diz: "Pelo nome, ué".

Há quem fale no declínio da instituição familiar. Para a antropóloga Lia Zanotta Machado, da Universidade de Brasília, acontece justamente o contrário.

"Fala-se em declínio porque o principal modelo de vida não é mais o único. Mas a família está mais forte com os diferentes arranjos."

Mesmo comuns, esses novos arranjos ainda causam estranhamento.

"Há um preconceito e um moralismo. A família nuclear ainda é considerada a ideal", afirma Maria Coleta de Oliveira, socióloga da Unicamp.

Quando a locutora Joana Ceccato, 40, solteira, conta que está grávida de gêmeas graças a uma fertilização in vitro, sempre escuta: "Como assim?"

"Todo mundo já ouviu falar, mas nunca viu de perto."

O pai das gêmeas é um ex-namorado de dez anos atrás, que hoje é apenas amigo.

"Ele é meu vizinho e nos damos bem", afirma.

Segundo a terapeuta familiar Flávia Stockler, não importa como os filhos são gerados nem qual o grau de parentesco entre eles, mas como a família lida com isso.

"Qualquer opção pode funcionar ou não. Uma família tradicional pode criar monstrinhos e um casal no segundo casamento pode se sair muito bem", afirma.

Para ela, o que importa é a qualidade do vínculo. "É preciso manter as relações de respeito e o diálogo. Mesmo com brigas ou separações."


DEPOIMENTOS

Eduardo Anizelli/Folhapress

Joana Ceccato e o ex-namorado Christian de Oliveira, o 'Fralda'; ela está grávida dele, por fertilização in vitro

"Sempre quis ser mãe, mas acabei tendo vários casamentos, todos duraram mais ou menos um ano.

Tenho endometriose, é mais difícil engravidar. Acabou nunca dando certo. Então, resolvi convidar um ex-namorado para fazer fertilização in vitro comigo.

Sempre me dei bem com meus ex-namorados.

O pai das gêmeas "é assim que eu digo, ou então chamo pelo apelido mesmo, 'Fralda'" está solteiro. Eu também. Não fomos casados, moramos juntos há mais de dez anos.

Continuamos amigos. É um relacionamento que já tem respeito e carinho, é uma pessoa em quem eu confio.
Quando minhas amigas souberam que eu estava grávida, ficaram emocionadas. Todos sabiam que eu queria muito.
Quem não me conhece, quando sabe, acha estranho.
Já acertamos como vai ser depois que as gêmeas nascerem. Deixamos claro que cada um pode se relacionar com quem quiser.

Moro com um amigo. Não quero criar minhas filhas sozinha. Sei que elas precisam conviver com outras pessoas. Tenho vários amigos e o 'Fralda' quer ser um pai presente."


Daniel Mantelatto, 10, e sua avó, a professora de dança Cristina Vasconcellos, 58

"A única que não foi por esse caminho [de ter vários casamentos] fui eu. Me casei uma vez e me separei, mas minhas filhas se separaram e casaram de novo. Acabo criando um vínculo com os novos maridos e com os filhos deles.

Não os considero como netos, considero como se fossem sobrinhos.

Mas são pessoas da família. Os ex-genros também são da família, apesar de não termos muito contato.

Hoje, não adianta a gente achar que tem que casar e ficar junto para sempre. Não é mais assim. O mundo está diferente.

Todo mundo tem que ter uma segunda chance. Mas não é para casar e descasar várias vezes também.

Acho que o Daniel [o neto] entende isso tudo. Na época em que as mudanças aconteceram, ele sempre perguntava sobre os novos vínculos.
Ele é curioso e tem uma cabeça boa. Gosta de ter família grande. Só acho que, às vezes, fica confuso. Outro dia, teve que fazer uma árvore genealógica na escola e pediu ajuda da mãe. Não sabia se colocava os tios antigos ou os atuais."

Mônica Fontes, 33, Thiago Fernandes, 34, e Guilherme, 5; o filho nunca viu os pais morando na mesma casa

"Faz seis anos que estou com o Thiago. Engravidei com três meses de namoro.

Na época, pensei: 'Não quero morar junto com uma pessoa que não conheço'. Continuamos juntos, mas em casas separadas. Depois que o Guilherme nasceu, toda vez que pensamos em morar juntos, não deu certo. Primeiro, ele foi trabalhar no interior e eu fiquei em São Paulo. Depois, ele voltou, mas acabou sendo demitido.
Ele ficou na casa da mãe dele e eu na casa da minha. Moramos eu, Guilherme, minha mãe, minha avó e minha irmã. Meu filho diz que a família dele é papai, mamãe, vovó, tia e bisavó.
Meus pais são separados e a mãe do meu marido é viúva. Meu filho nunca viu pais morando com filhos na mesma casa. Ele pergunta: 'A vó foi casada com o vô? Não acredito!'.
Pergunta também se eu e o Thiago somos namorados. Ele é meu marido. Acho que passou a ser marido de três anos para cá. Antes era namorado. Mas não somos casados. Neste ano nosso apartamento vai ficar pronto.
Meu filho vai achar esquisito morar só nós três."


http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/865781-superacao-da-familia-nuclear-cria-novos-modelos-de-relacionamento.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário