quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Roteiro para elaboração de Projeto Político Pedagógico

1.Capa;

2.Sumário;
3.Introdução (Quem elaborou o PPP? Como foi essa elaboração?);
4.Histórico completo da escola;
5.Diagnóstico e análise qualitativa do entorno (Comunidade);

5.1– Qual o significado da Comunidade para a escola?
5.2– A escola está aberta para a Comunidade?
5.3– Qual é a relação com as outras escolas do entorno?
5.4– Qual é a relação com os outros equipamentos da Prefeitura (UBS, Centro Cultural)?

6.Gestão Democrática:
6.1– Plano de gestão da escola (expectativas, metas, plano de ação da coordenação),
6.2– Secretaria de Educação:

a) O que significa para a escola:

1ª Diretriz– Democratização do Acesso e Permanência - Educação para todos (inclusão, acesso...);

2ª Diretriz – Qualidade Social – (qualificação do ensino e dos profissionais: horário de formação, Trocas Metodológicas, Pró Letramento...);

3ª Diretriz – Gestão Democrática (eleição de gestores);

Eixos Curriculares (Dignidade e Humanismo; Cultura; Democratização da gestão; Formação de formadores; Diferentes Linguagens; Meio Ambiente; Educar / Cuidar).

b) Ações / Projetos / Núcleos

Anos anteriores: (Aconteceram na escola? Como? Foram importantes?)

Raça e Gênero;

Meu Ambiente;

Informática;

Biblioteca Interativa;

EJA OP;

Escola de Todos;

Esta escola tem história;

Outros.



Este ano:

Pró Letramento;

Pro Info;



Inter Secretarias: (tem parceria com a escola?)

- Meio Ambiente;

- Desarmamento Infantil;

- Saúde Preventiva;

- Educação no Transito;

- Valorizando a Vida;

Juventide Viva.



c) Avaliação de 2008 (o que foi feito e o que precisa ser revisto)

d) Ações propostas para 2009-2010

Comunidade Escolar:



O que significa para a escola:

Alunos(as);

Professores(as);

Funcionários(as);

Gestores da Escola;

Conselho Escolar;

Conselho Mirim.


6.3– Conselho Mirim (implantação);

7.Concepção de:

7.1- Educação;

7.2– Professor (Educação Infantil e EJA);

7.3– Aluno;

7.4–Ensino Aprendizagem:



Durante as atividades de sala de aula é papel do professor...

Refeições;

Pátio;

Parque;

Hora do Vídeo;

Hora do sono (creche);

Atividades de vida diária do aluno (escovação, tirar/colocar roupas e calçados, higienizar-se no banheiro, etc.);

Regras de convivência;

7.5– Avaliação;
7.6– Inclusão;

8.Organização geral da escola (estrutura do cotidiano);

9.Objetivos e Metas da Escola;

10.Objetivos de aprendizagem, estratégias, conteúdos e avaliação;

11.Projetos vinculados à proposta curricular;

12.Referências bibliográficas.








Relacionamento Professor E Aluno


Por: Roseli Brito

50 maneiras de mostrar aos seus alunos o quanto você se importa com eles

De acordo com uma pesquisa, apenas um a cada quatro alunos do 6o. ano ao ensino médio dizem que as suas escolas oferecem uma ambiente acolhedor. Esta constatação é surpreendente!

Como podemos inspirar os alunos a mostrar empatia uns pelos outros, se nós falhamos em mostrar isso em nós.

Na verdade, nós nos importamos muito, porém nosso foco está centrado apenas no desenvolvimento acadêmico e acabamos por ignorar os pequenos gestos que demonstram carinho.

Interessante dizer que, o menor caminho para o sucesso acadêmico de muitos alunos é através dos seus corações. Eles não se importam com quanto nós sabemos, o que eles querem saber é o quanto nós nos importamos.

Aqui vão 50 dicas que, se praticadas diariamente, garantirão o seu nome no Hall da Fama e no coração dos seus alunos:

01. Aprenda o nome dos seus alunos

02. Lembre a data de aniversário deles

03. Pergunte como eles estão e/ou como se sentem

04. Olhe nos olhos quando conversar com eles

05. Ria junto com eles

06. Diga mais SIMs

07. Seja você mesma, nada de superficialidades ou tipos

08. Repare quando eles estiverem agindo diferente

09. Compartilhe do entusiasmo deles

10. Envie uma carta ou um bilhete para eles quando estiverem ausentes

11. Repare quando eles não vierem para a escola

12. Chame-os, mesmo que seja apenas para dizer `olá`

13. Converse a respeito dos sonhos deles ou do que os afligem

14. Aprenda com eles as coisas que só eles sabem fazer

15. Esteja sempre disponível para eles

16. Apareça nos eventos que eles realizarem

17. Encontre interesses em comum com eles

18. Desculpe-se quando fizer algo errado

19. Ouça a música favorita deles, com eles

20. Acene e sorria, mesmo quando você estiver vendo-os de longe

21. Agradeça-os por tudo o que eles fizerem ou disserem

22. Deixe claro o que você gosta neles

23. Recorte figuras, artigos, separe revistas que possam interessá-los

24. Cumprimente-os por todas as coisas bacanas e corretas que eles fizerem

25. Dê-lhes sua atenção individual

26. Peça a opinião deles

27. Apresente-os para seus amigos

28. Diga-lhes o quanto você gosta de estar com eles

29. Procure conhecer os Pais e os amigos deles

30. Ajude-os a tornarem-se experts em algo

31. Demonstre entusiasmo ao vê-los

32. Conte-lhes sobre as coisas que você gosta

33. Elogie mais, critique menos

34. Peça a ajuda deles quando não souber fazer algo

35. Acredite neles

36. Comemore a individualidade deles

37. Permita que eles errem e aprendam

38. Inclua-os na conversa, jamais deixe-os de fora

39. Respeite-os

40. Seja compreensiva quando eles tiverem um dia ruim

41. Aprecie a personalidade deles, aceitando-os como eles são

42. Encoraje-os a ajudar os outros

43. Faça o que eles gostam de fazer, afinal você também é uma pessoa normal

44. Encoraje-os a pensar grande e a ter metas desafiadoras para a vida

45. Celebre quando eles começarem e finalizarem algo importante

46. Agradeça as sugestões deles

47. Pergunte por eles quando estiverem doentes ou ausentes

48. Apresente-os as pessoas de destaque que você conhece

49. Coloque-se à disposição quando eles precisarem

50. Ame-os, apesar de tudo

Professores, esses 50 comportamentos traduzem a essência do que é criar um relacionamento baseado no Amor e não na nota bimestral. Lembre-se disso na próxima aula.

Roseli Brito é Pedagoga – Psicopedagoga – Coach de Família

Ajudo as Escolas e Educadores na :

1) Implantação do Programa de Resolução de Conflitos 2) Aplicação do Programa de Gerenciamento da Sala de Aula

3) Fidelização e Captação de Alunos

==============================================================

Quer saber como acabar com a indisciplina na sala de aula?

Receba agora de presente, por email, o mini-curso ”Gerenciamento da Sala de Aula"

Acesse http://www.sosprofessor.com.br

Perfil do Autor

Roseli Brito é Pedagoga – Psicopedagoga – Coach de Família Ajudo as Escolas e Educadores na: 1) Implantação do Programa de Resolução de Conflitos 2) Aplicação do Programa de Gerenciamento da Sala de Aula 3) Fidelização e Captação de Alunos ================================================================ Quer saber como acabar com a indisciplina na sala de aula? Receba agora de presente, por email, o mini-curso “Gerenciamento da Sala de Aula”.Acesse http://www.sosprofessor.com.br/

A mostrar as mensagens mais recentes com o marcador 1º ano. Mostrar mensagens mais antigas

O que realmente devemos trabalhar no 1º ano?

Veja a resposta de algumas professoras que trabalham diretamente com o 1º ano


Resposta de Soraia M.S.

Quais são as principais atividades que realiza no 1º ano?

Na primeira semana é preciso trabalhar com a adaptação dos alunos, trabalho crachá, atividades com nome, etc.

Você alfabetiza?

Depende de como a criança chegou. Se não veio alfabetizado da ed. infantil alfabetizo


Resposta de Ivani Santoro

Sim se consegue alfabetizar o 1º ano. No trabalho Construtivista o principal é trabalhar atividades que sejam significativas. Diariamente:

1) trabalhar com os nomes dos alunos ( há vários tipos de atividades diferentes para não ficar monótono, mesmo que saibam seu nome precisar saber reconhecer o nome os colegas).

2) trabalhar a rotina do dia, escrevendo na lousa, a data, o dia da semana, e o que se vai trabalhar.

3) leitura compartilhada num momento especial, e não pra preencher espaço. Leitura feita pelo prof previamente, antecipando algumas partes, pedindo pra fazerem a leitura da imagem. Favorecendo inferências sobre o conteúdo a partir das pistas, título, ilustrações.

4) Cruzadinhas, listas com escritas espontâneas, caça-palavras.

5) uma vez por semana uma produção coletiva, pra irem se repertoriando da estrutura textual.

6) Em uma das minhas formações no ano passado, coloquei em prática uma dica que deu muito certo. Quando se tem como objetivo que eles se apropriem de um determinado gênero ao invés de iniciar lendo e mostrando a estrutura, reservar uma quantidade boa desse gênero. Distribuir entre eles e deixar que analisem o que estão vendo. Por ex. poesias, ir levantando com eles, vai até o fim da linha? Ajude-os a perceberem as estrofes, as rimas. Dessa forma o professor não deu essas informações mas eles foram desafiados a perceberem do gênero. Esse trabalho pode durar umas duas semanas.

7) se há alunos que não sabem as letras do alfabeto, deve-se trabalhá-lhas diariamente. Bingos, inicial e final de nomes. Brincadeiras ( jogos) que favoreçam essa aquisição, que no caso da alfabetização é imprescindível.

8) Trabalho as outras disciplinas, ciências, história e geografia com o olhar de alfabetização.



Resposta da Aline



Olá, bem,depende muito da turma ( ou da Criança, com quais conhecimentos ela saiu da Educação Infantil/ J III), pois trabalhei 3 a seguidos com o 1° a e foram experiências muito diferentes.



Geralmente iniciava trabalhando coordenação, nomes,tipo de letra: bastão, cursiva...) Onde trabalho, o 1º ano (CA) precisa estar lendo e escrevendo no final do ano letivo, eles vem com "noções", mas a leitura e escrita é cobrada da profª do 1º ano



Reposta da Vanda Papa



No 1ºano (antigo Pré) trabalha-se todas as letras do alfabeto, enfatizando a fonética e construção das palavras. Uso o método fônico, onde para cada letra tem um significado importante para a construção fonética.



Tudo é feito de maneira bem lúdica e criativa, as crianças participam pois é feito um teatro, "casinha feliz", cada letra do alfabeto representa um personagem. No final do ano eles dominam a leitura e escrita com autonomia.



Quanto a escrita , bastão ou cursiva, não nos preocupamos, priorizamos a compreensão fonética, nessa construção usamos letra bastão, depois de alcançar o objetivo da leitura e escrita fica mais confortável e fácil para exercitar a letra cursiva. Se quiser trocar cartas com os meus alunos do 1º ano (um projeto que desenvolvo há tempos).





Maria Aparecida A. Leão



Olá amiga, é uma honra pra mim responder algumas das tuas perguntas. trabalho a 18 anos com essa turma e adoooooooooooro, principalmente quando vemos o resultado do nosso trabalho mostrado nos bilhetinhos e cartinhas que recebemos. Não posso te dizer como fazer, pois sabemos que cada professor tem o seu jeito e a sua metodologia e isso contribui para que as crianças aprendam. As vezes dá certo no tradicional e as vezes temos que seguir o novo. Eu mesma sempre trabalho de forma contextualizada e começo sempre apartir do nome, que é uma maravilha e você pode trabalhar todo o alfabeto. Não me preocupo no inicio com vogais ou consoantes, procuro trabalhar todas as letras sem esse detalhe. No péríodo mais avançado ou seja, quatro meses depois é que inicio a ordem alfabética, não com letras isoladas, mas a partir de tema gerador e campo semantico. exemplo se trabalho uma literatura como a branca de neve, aproveito os nomes dos sete anões para que as crianças identifiquem letras iniciais, finais, vogais consonates, colocarem em ordem alfabética, faço bingo sorteando letras e assim por diante.



A minha preocupação no ano letivo é ensinar a escrever com letra cursiva e preparo fichas com os 4 tipos de letras e tem trazido ótimo resultado pois com um mês eles já conseguem diferenciar letra bastão de letra cursiva, já dominam a linha e paragráfo do caderno. nas atividades coloco para reescreverem palavras com letra cursiva observando a ficha no qual cada uma tem a sua.



Não sei se a escola que você trabalha é pública, a que trabalho é. Portanto, exige de nós muita calma e paciência, pois as crianças que chegam ao primeiro ano precisam a se adptar com muitas coisas, leitura, escrita, oralidade e muitas delas entram sem nunca ter frequentado a escola. por isso aconselho a você que nas primeiras semanas não avance muito. Com o nome da criança você pode trabalhar o suficiente.



Trabalhar com turmas de primeiro ano antiga alfabetização dá muito trabalho, pois você tem que ter vários recursos, o alfabeto móvel também ajuda bastante, montar jogos, conversar em rodinha, trabalhar com música também . São vários os recursos, a partir do nome deles você já pode fazer um diagnóstico pra saber que letras conhecem, número de letras e assim por diante.






A vingança da caveira

Uma noite, voltando com amigos do bar onde andaram tomando uns goles a mais, Zé Pedro parou na entrada do pequeno cemitério da cidade.

- Cruz-credo, Zé Pedro! Por que parou aí? Idéia de jerico! – disse um.

- Vam’ bora, homem! Que mau gosto, parar na porta do cemitério numa hora desta!

- Vocês são é covardes – disse Zé Pedro. – Desafio qualquer um a ir lá dentro comigo, bater papo com algum defunto solitário!

Cê é besta, sô? Vam’ bora, gente! Larga o Zé Pedro aí, que o doido é ele!

Saíram todos em disparada. Zé Pedro, embriagado, não se importou. Estava decidido a ir lá dentro, e foi o que fez. Entrou cambaleando no cemitério, cantando alto:

Eram duas caveiras que se amavam,

e à meia-noite se encontravam.

pelo cemitério os dois passeavam,

e juras de amor então trocavam.

Sentados os dois em cima da laje fria,

a caveira, apaixonada, assim dizia:

que pelo caveiro de amor morria,

e ele, de amores por ela vivia...

Zé Pedro não se assustou quando um fantasma, levantando-se do túmulo, encarou-o:

- O que você vem fazer aqui, estranho? – quis saber a voz do Além.

- Vim fazer uma visita e convidar o amigo pra jantar – Zé Pedro respondeu, atrevido. – Espero Vossa Fantasmagoria amanhã, em minha casa...

E se dobrou de rir da cara do fantasma.

Dia seguinte, Zé Pedro acordou tarde. Lembrava-se vagamente da visita ao cemitério, mas não sabia o que acontecera lá, nem como voltara pra casa.

• Que me importa? O que vale é que estou aqui, pronto pra outra.

Passou o dia de ressaca, o que não o impediu de dar boas risadas à

custa de alguns vizinhos.

À noite, Zé Pedro e sua família se sentaram para jantar. Iam começar a comer quando bateram à porta.

Sonia Junqueira

Nenhum comentário:

Postar um comentário