sexta-feira, 22 de outubro de 2010

ORIENTAÇÃO PARA AS SONDAGENS DOS ALUNOS

• A sondagem tem o objetivo de fazer um “zoom” sobre a estratégia e a aprendizagem real dos alunos. Ao mesmo tempo, relatar de modo claro, sem “pedagogês”, o processo e o produto provisório do trabalho realizado.

• Não é necessário que o relatório tenha um caráter “formal” ou “distante”. Pelo contrário, o professor pode colocar seu próprio estilo.

• Na formação falamos dos aspectos observáveis do trabalho realizado , assim como o texto sobre como descrever um aluno com termos mais adequados. Em casos de situações difíceis de descrever, este tipo de texto poderá ajudar.

• Abaixo colocaremos alguns pontos principais, como orientação, de modo que outros aspectos podem ser acrescentados, adaptados ou modificados caso haja necessidade.

• Resgatar as avaliações dos anos anteriores caso o aluno esteja em continuidade na escola e colocar avanços do primeiro semestre de 2010...



ORIENTAÇÕES ESPECÍFICAS

1- Caracterização da turma- Perfil geral da sala

Pode-se recorrer a primeira síntese realizada em março para verificar o que avançou. Entram neste perfil:

• Composição da turma, com a quantidade de alunos por idade, iniciantes ou em continuidade.

• Colocar peculiaridades da sala e também o modo de participação e envolvimento nas atividades, atividades que mais mobilizam as crianças. Lembrando que a participação em roda de conversa e brincadeiras são pontos muito importantes. Em classes com alunos de inclusão, como o grupo interage e como esta criança repercute na dinâmica da turma;

• Como se adaptam às regras, tempos e espaços. Interação social.

• Síntese curta dos principais pontos trabalhados até o momento, sem necessidade de divisão por área.



2- Percurso do aluno



• Neste ponto entram os aspectos singulares de cada criança.

Pontos relevantes que merecem ser colocados aos pais, evitando-se “rótulos” do tipo “agitado”, “agressivo”, mas descrevendo a criança de forma mais completa.

• Principais interesses

• Frequência regular ou irregular (total de faltas)

• Avanços ou características da interação social, na comunicação, na roda da conversa, em situações de brincadeiras em grupo, livre e simbólica

• Participação na dinâmica da sala, relação com as regras e combinados

• Em casos específicos, os encaminhamentos feitos a serviços diversos de saúde e orientação dadas aos pais, ou necessidades de intervenção e de auxílio por parte da família e da escola, para promover os avanços necessários.

• Outros pontos peculiares à criança, em que ela se destaca ou que necessita de maior atenção.

• Caso os pais não participem, sejam ausentes, colocar observação da necessidade de mais participação



3- O que observar quanto ao desenho



• O desenho é das expressões infantis mais importantes e originais. Por esta razão, não se deve ter um olhar classificatório sobre ele em relação à aproximação ou não do “real” ou “ideal”, mas sim valorizar os traços infantis com toda a sua riqueza e singularidade. O “produto provisório” deve ser sempre comparado ao processo anterior ou a outras produções da criança.

• Verificar se o ato de desenhar mobiliza e interessa a criança.

• No caso em que a figura não é identificável, a criança tem intenção desenhar ou experimenta as cores, importando-se mais com o movimento do material sobre o papel do que está sendo pedido.

• Observar se a criança repete sempre os mesmos elementos no desenho independentemente do que foi solicitado.

• A criança coloca empenho, cuida de detalhes.

• Suas ilustrações apresentam expressividade, estilo, riqueza de cores.

• Como a crianças usa o espaço da folha.

• Um ponto importante a destacar é quando a criança é capaz de representar movimento, tenta colocar perspectiva ou sobreposição ( o que está perto maior e embaixo e o que está longe menor e em cima), bem como a busca de proporção do corpo na figura humana e em outros elementos expressos no desenho.



4- O que observar quanto a Matemática

A avaliação de matemática visa observar como a criança controla e registra quantidades, neste momento usando o jogo. É importante esclarecer que se a criança está aprendendo a controlar e registrar quantidades, não há necessidade de solicitar a soma de duas jogadas. Neste caso, apenas uma folha em branco para que ela registre a sua jogada, de preferência com mais de oito garrafas. Quando a criança registra de modo eficiente, usando qualquer estratégia que seja, pode-se solicitar a soma. O desafio não pode ser impossível ou incompreensível para a criança. Enfim é uma descrição do que exatamente a criança faz para controlar e registrar quantidades. NÃO BASTA COLOCAR “FAZ CORRESPONDÊNCIA UM A UM” ou “ CONTROLA E REGISTRA ADEQUADAMENTE AS QUANTIDADES”. O mais importante é descrever “COMO”.

Observar qual estratégia a criança está usando:

• Numerais que representam unidades do mesmo modo que pauzinhos ou bolinhas.

• Correspondência um a um usando pauzinhos.

• Numerais que são desfeitos em pauzinhos na soma.

• Numeros que não representam quantidades, pois são reproduzidos no total, sem operar a soma.

• Ajuda dos dedos para somar.

• Uso de matérias concretos para somar. Necessidade de pegar as garrafas uma a uma e marcar.

• Muitas outras estratégias...



5- O que observar quanto a Leitura

É importante observar como a criança interage com os portadores de textos. No momento do empréstimo de livros escolhe o livro de acordo com qual aspecto: capa, cor, ilustração, a história, entre outros. Uma vez escolhido o livro, é interessante verificar:

• Se a crianças percebe pela forma o tipo de texto ali presente.

• Se posiciona e manuseia o livro adequadamente.

• Se expressa o conteúdo de acordo com o tipo de texto escolhido ou suposto (contos de fadas, relatos, receitas).

• Se ao ler aponta para as gravuras e narra uma história.

• Se nomeia as gravuras, sem uma sequência.

• Se usa linguagem típica do texto escrito ou se faz marcas da oralidade.



6- O que observar quanto a Escrita

As orientações abaixo referem-se apenas à avaliação, uma vez que todas as crianças devem no dia participar, dentro de suas possibilidades de todas as atividades (com nomes, textos que sabem de cor, títulos de histórias, etc.).

O importante é identificar o que a criança está realizando. Há diferentes objetivos nesta avaliação, de acordo com o que a criança pode produzir no momento.

Para as crianças que estão aprendendo a escrever o nome, podem ser usadas apenas o nome com crachá ou sem crachá e uma lista de palavras. No caso das crianças que já percebem que as letras não são aleatórias, mas fazem uma reflexão sobre qual letra usar, pode-se inserir o texto que sabe de cor. Para as crianças alfabetizadas, pode-se pedir um texto de recontagem e história, a observação é justamente a estratégia que a crianças usa para escrever e de que maneira percebe a escrita.

Um comentário:

  1. Muito legal seu texto, Nathália. Bastante interessante e, acima de tudo, útil. Gostei mesmo.
    Beijo.
    Ana Paula.

    ResponderExcluir